Carta de Princípios

História

A palavra ateneu deriva da deusa grega da sabedoria Atenea, e vai constituir historicamente centros sociais dedicados a promoção de cultura e vida associativa de uma coletividade em seu lugar cotidiano.
Como espaços de resistência da classe trabalhadora vão receber distintos nomes, de acordo com sua vocação e as pautas de atuação que lhes caracterizavam: centros de cultura social, comitês de agitação contra a carestia de vida, círculos de estudos, casas do povo, universidades populares, ateneus libertários ou sindicalistas.
Entre fins do século XIX e princípios do XX o movimento operário tomará suas atividades como ramo cultural das lutas do sindicalismo revolucionário e dará impulso forte na sua criação e multiplicação. Os ateneus eram centros sociais voltados para a produção de saber popular, alfabetização, bibliotecas, ciclo de debates, pedagogia radical; difusão de idéias, periódicos e livros; criação cultural pelo teatro, a música, as artes; lugar de encontro e união do bairro, onde se discutiam pautas para atuar sobre demandas populares que ampliavam o escopo dos sindicatos; formas associativas de defesa dos inquilinos, do consumo popular, modos de vida cooperativa e solidariedade com as lutas sociais e os presos por lutar.    
Em todos os casos, para as idéias libertárias o ateneu encarnava o projeto de uma sociabilidade vivida em oposição a sociedade capitalista. Práticas coletivas e solidárias na cultura, no lazer, no tempo que sobra do trabalho, que prefiguravam o socialismo com a vivência dos seus valores, pela força dos exemplos cotidianos.

Nosso conceito

Ateneu é o nome que damos a associação de companheiras e companheiros que se dedicam a agitação do pensamento crítico, culturas de resistência e práticas de apoio mútuo e solidariedade. Um espaço libertário amplo de idéias e experiências coletivas, autogestionário – quer dizer: organizado diretamente pelos implicados – e inseparável das lutas sociais, do movimento dos trabalhadores, das classes oprimidas. Um centro de geração de dinâmicas de ação social que se articula ao território, as problemáticas do local onde está inserido, que produz sentido de comunidade e vincula com solidariedade os grupos que se movimentam pela região onde atua.

Libertário em sentido amplo, que convoca todas e todos que se põem de acordo em atuar num marco coletivo e solidário, de práticas que confiam nas virtudes da participação, da democracia de base, da ação direta e a independência de classe. Quem semeia emancipação com práticas de liberdade e toda responsabilidade por seus atos. Um conceito libertário que não está preso a uma definição ideolígico-doutrinária em particular, que se associa com um estilo de trabalho, com modos de fazer que favorecem a igualdade, o apoio mútuo e a autogestão.

Batalha da Várzea faz memória de uma peleia histórica da classe operária em Porto Alegre, durante a greve geral que paralisou a cidade em 1917. Batalha da coluna operária que marchava pela João Pessoa, quase chegando na Azenha, contra a operação policial-repressiva que pretendia dissolve-la. Nesta cena se destaca uma jovem de 17 anos formada no ambiente dos sindicatos combativos e as escolas racionalistas. Espertirina Martins carregava em frente a coluna o buquê de flores que escondia o explosivo usado para a autodefesa operária.    

Como funciona e se organiza o Ateneu

O Ateneu é uma associação cultural, autogestionária e mutualista, de caráter aberto, formada tanto por coletivos ou indivíduos com adesão voluntária e responsável. Para estar associado o coletivo ou indivíduo deve frequentar as assembléias e ajudar na realização das suas atividades.

Seus recursos e patrimônio são constituídos graças as contribuições e cotas de seus integrantes e simpatizantes, projetos de cooperação com organizações afins ou a realização de atividades de arrecadação pra um fundo coletivo. O Ateneu não receberá subvenções estatais, nem patrocínios, nem apoio de empresas ou políticos, como critério de independência política com seus princípios e finalidades.

A assembleia que reúne todos e todas integrantes em pé de igualdade será seu órgão de decisão, planejamento e balanço das atividades, convocada pelo menos uma vez ao mês. Na assembléia serão considerados: secretaria, tesouraria e grupos de trabalho; aprovação de propostas de atividades; campanhas solidárias; fundo coletivo, etc..

Os grupos de trabalho fazem as tarefas cotidianas de suporte e gestão das ações do Ateneu. Em princípio vamos considerar três, que podem variar conforme a avaliação do momento que faz a assembléia.

Secretaria que fica responsável pela agenda do espaço, relatos de reuniões e registro dos acordos, anota as novas propostas e informa e convida a todos pras assembléias.

Tesouraria/infraestrutura recebe contribuições, administra as despesas, inventaria o patrimônio, cuida do fundo coletivo e faz os balancetes periódicos da arrecadação pra informar a assembléia.


Imprensa/comunicação toma conta dos registros, publicações e divulgação das atividades que realiza o Ateneu. Atualiza o blog e o facebook e se encarrega da comunicação por cartazes e panfletos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário